Reviews, Thailand, Travel

Chiang Mai – the northern gem

versão portuguesa

If your visiting Thailand I will definitely recommend that you include Chiang Mai as one of your destinations.

Chiang Mai is a charming city, full of life, but still traditional in it’s ways, unlike the caos of Bangkok.

Chiang Mai means “new city” and was named so because it became the new capital of the Lan Na kingdom when it was founded in 1296, succeeding Chiang Rai, the former capital founded in 1262.

Modern-day Chiang Mai has expanded in all directions, but particularly to the east towards the Ping River (Mae Nam Ping), where Chang Klan Rd, the famous Night Bazaar and the bulk of Chiang Mai’s hotels and guest houses are located. Loi Kroh Rd is the center of the city’s night life.

We got to the city by bus, since we came from Sukhothai, but if you’re considering traveling directly from Bangkok, you can catch a plane or train. I would recommend catching​ a plane, since is faster, easier and more comfortable, buses and trains tend to be late and they take a long time to get from one place to another. From Sukhothai to Chiang Mai by bus it took us something around 5h30. If you traveling from Bangkok and catch a plane, you’ll be in Chiang Mai in 1h15 and there’s a few air lines you can chose from,

  • Air Asia
  • Bangkok Airways
  • Nok Air
  • Thai Airways
  • Thai Lion Air

In Chiang Mai the city is divided in two parts, the old city (inside of the wall) and the new one, outside. We’ve decided to stay on the Old City, since it’s close to everything: temples, restaurants, bars, shops, etc. The Old City is quite big and with lots to see and tons of options where to stay at.

The first thing to do in Chiang Mai is to plan your stay, since there are so many options. The city itself has more than 300 temples, one that I would recommend is Doi Sutep on top of the mountain, it’s all in gold and extremely ostentatious.

Another experience that you cannot miss, is to visit an elephant sanctuary. There are a lot to choose from, but some of them I wouldn’t consider sanctuary… they offer rides on elephants and the animals are mistreated. I’ve made an extensive investigation and chose one that I would really consider sanctuary in the true meaning of the word and there’s when I’ve found the Elephant Nature Park,  an elephant rescue and rehabilitation center, where there are no rides and all the elephants were rescued from circuses, logging industry and other cruel situations. Since this was on of the most magical experiences of my life I thought that it deserved a whole post for itself, so if you want to know more check it out here.

Another thing that you’ll have a chance to do when in Chiang Mai is to visit the Tiger Kingdom, I don’t recommend it at all!! The animals are tied with heavy leashes and are highly drugged to be calm and take pictures with tourists, so please don’t support this type of attraction. If you want to know more, please check out this article.

Apart from these options you can also visit the tribes, go on adventures doing radical sports, take shooting or cooking lessons, as I told you there’s a lot to do in this city.

On our first day we decided to visit the city. Woke up early and went strait to Doi Sutep, the biggest temple in Chiang Mai. To visit this temple you need to get a car to take you to the top, you can share a car or get a private one with a/c. Since the temple is at the top of the mountain, you’ll need to go to up the Doi Sutep Road, where you’ll find all sorts of little shops with souvenirs and food. Once you arrive at this road be prepared to climb 300 stairs to the top and once you arrive to the top, if you’re a woman, you’ll need to cover your shoulders and legs. As in other temples around the world, you’ll need to leave your shoes at the door and walk barefoot. The temple is all in gold, extremely ostentatious, but beautiful to see. There’s a lot of people, young and old, that go up to Doi Sutep by foot, it takes hours for them to arrive, but like other pilgrims they do it in the name of their beliefs.

After visiting Doi Sutep, we decided to walk around the old city and visit the tons of temples, shops and restaurants they have to offer. At night we went to the Night Bazaar, where there are millions of stalls with all sort of things, from clothes, to crafts, designer bags and glasses, restaurants and a lot of people.

On our second day we went on a tour to visit the hot springs, the white temple, black museum, the tribes and the Golden Triangle.

The White Temple was build in 1997 by a local plastic artist that lived in the States from a while, and is still under construction. It is divided in 2 different parts, hell and paradise. On hell, you can see dozens of hands reaching out to the sky, male hands since the guys are naughtier than the girls, then you have a bridge that will take you to paradise. We were told not to stop on the bridge not even to take photos because it is considered bad luck and after visiting paradise one shouldn’t go back to hell for the same reason. After you visit the temple you’ll reach a golden building, the bathroom (!!). The owner of this temple claims that we’re all the same, rich or poor, that we all use the bathroom so we all deserve the best one. All around the temple you’ll be able to see chopped of heads hanging on trees and if you look closer you’ll see that those heads belong to batman, deadpool, gollum, etc… I found that to be bizarre, but it seemed natural to the visitors…

After the White Temple, we drove to the black museum, it is considered a museum and not a temple because there are not Buddha figures. Just like the White Temple was also build by a local artist and it is kinda morbid.. it has a lot of horns, crocodile skin, skeletons, I found that to be a bit weird. The buildings are made of a special wood that you can no longer buy, by government law, but if you plant the trees yourself you’ll be able to use it in the future.

Next we drove to the tribe’s villages. One of the tribes we’ve visited was the Long Neck tribe, only women (the men stay behind working in the fields at Myanmar), that I’ve found out to be exploited by the Thai government. The ladies come to work from Myanmar, selling their crafts, but the Thai government doesn’t grant them visas, so they are obliged to stay in the village premises, unable to go out even to go to the supermarket… is probably more lucrative for the Thai government if they stay there and be a tourist attraction. I didn’t enjoyed this visit much, I felt like I was in a human zoo, seeing the tribe and knowing their names and if they were married or not…

After this not so great experience we drove to the Golden Triangle, where you find the frontiers between Thailand, Laos and Myanmar and caught a boat to Donsao, a little place in Laos where they have a market. On this market you can find whiskey with scorpions, cobras and even turtles inside, that I find to be cruel. One can also find cigarettes, designer bags (Prada, Michael Kors, Louis Vuitton), clothes and food. You’ll find a lot of kids playing around and asking tourists for money.

At night we went back to Chiang Mai, and it was the 10th of May, the Vesak day, also known as Buddha Purnima and Buddha Day, is a holiday observed traditionally by Buddhists, so the temples were decorates with lots of candles and they were packed with people praying to Buddha and placing offers at the altars, beautiful do see.

On our third and last day we went to Elephant Nature Park and you can read all about this amazing experience here.

 

Se está a planear uma visita à Tailândia, recomendo vivamente que inclua Chiang Mai na sua rota!

Chiang Mai é uma cidade encantadora, cheia de vida, mas ainda tradicional, ao contrário do caos de Bangkok.

Chiang Mai significa “nova cidade” e foi assim nomeada porque se tornou a nova capital do reino Lan Na, quando foi fundada em 1296, sucedendo a Chiang Rai, a antiga capital fundada em 1262.

A moderna Chiang Mai expandiu-se em todas as direcções, mas particularmente a leste, para o rio (Mae Nam Ping), onde a Chang Klan Road, o famoso bazar nocturno e a maioria de hotéis e guesthouses se situam. Loi Kroh Road é o centro da vida nocturna da cidade.

Chegámos à cidade de autocarro, dado que partimos de Sukhothai, mas se está a considerar viajar directamente de Bangkok, pode também fazê-lo de avião ou comboio. Recomendo ir directamente de avião, uma vez que é mais rápido, mais fácil e mais confortável, os autocarros e comboios tendem a atrasar-se e levam muito mais tempo a chegar ao destino. De Sukhothai para Chiang Mai de autocarro levámos cerca de 5h30. Se viajar de Bangkok e for de avião, estará em Chiang Mai em 1h15 e estas são as companhias aéreas das quais pode escolher,

  • Air Asia
  • Bangkok Airways
  • Nok Air
  • Thai Airways
  • Thai Lion Air

Em Chiang Mai a cidade é dividida em duas partes, a cidade velha (dentro da muralha) e a nova (fora da muralha). Decidimos ficar na parte velha, pois fica próximo de tudo: templos, restaurantes, bares, lojas, etc. A cidade velha é muito grande, com muito para ver e imensas opções de onde ficar.

A primeira coisa a fazer em Chiang Mai é planear o que fazer na sua estadia, já que há tantas opções a considerar. A cidade em si tem mais de 300 templos, um quais recomendo é Doi Sutep no topo da montanha, todo em ouro e extremamente ostentoso.

Outra experiência a não pode perder, é visitar um santuário de elefantes. Há muitos por onde escolher, mas alguns deles eu não considero santuários no verdadeiro significado da palavra, dado que oferecem passeios em elefantes e os animais são maltratados. Fiz uma extensa investigação para escolher um que eu realmente consideraria santuário e foi então que encontrei o Elephant Nature Park, um centro de resgate e reabilitação de elefantes, onde não há passeios montados nos animais e todos os elefantes foram resgatados de circos, indústria madeireira e de outras situações de crueldade. Uma vez que esta foi das experiências mais mágicas da minha vida, decidi que merecia um post inteiro só para si, pode lê-la na integra aqui.

Outra actividade com animais que terá uma oportunidade para fazer em Chiang Mai é visitar o Tiger Kingdom, a qual não recomendo de todo!! Os animais são presos com trelas pesadas e são altamente drogados para estarem calmos e não reagirem ao tirar fotos com os turistas, por isso, não apoio este tipo de atracção. Se quiser saber mais, por favor leia este artigo.

Para além destas opções, pode também visitar as tribos, fazer desportos radicais, aulas de tiro ou de culinária, como disse que há muito o que fazer nesta cidade.

No nosso primeiro dia decidimos visitar a cidade. Acordámos cedo e fomos para Doi Sutep, o maior templo em Chiang Mai. Para visitar este templo que terá de alugar um carro que o leve ao topo da montanha, pode escolher compartilhar o carro ou alugar um privado com ar condicionado. Como o templo está no topo da montanha, uma vez lá em cima a visita começa na Doi Sutep Road, onde encontrará todos os tipos de lojinhas com lembranças e alimentos. Chegando a esta estrada convém estar preparado para subir 300 escadas para o topo e uma vez lá em cima, caso seja mulher, terá de cobrir seus ombros e pernas. Tal como em outros templos por todo o mundo, é obrigatório deixar os sapatos à porta e andar descalço durante a visita. O templo é todo de ouro, extremamente ostentoso, mas bonito de se ver. Há muitas pessoas, jovens e velhas, que vão até Doi Sutep a pé, levam horas para lá chegarem, mas tal como outros peregrinos,  fazem-no em nome das suas crenças.

Depois de visitar Doi Sutep, decidimos caminhar pela cidade velha e visitar as centenas de templos, lojas e restaurantes que esta tem para oferecer. À noite, fomos ao Night Bazaar, onde há milhões de barracas com todo o tipo de coisas, desde roupas até artesanato, malas e óculos de marca, restaurantes e muitas, muitas pessoas.

No nosso segundo dia fizemos uma tour que incluia visitar as fontes termais, o templo branco, museu preto, as tribos e o Triângulo Dourado.

O Templo Branco foi construído em 1997 por um artista plástico local que viveu nos EUA durante algum tempo, e está ainda em construção. Consiste em 2 partes diferentes, inferno e paraíso. No inferno, podemos ver dezenas de mãos tentando alcançar o céu, mãos masculinas  pois os homens são mais mal comportados que as mulheres, depois disso temos uma ponte que vai levar-nos para o paraíso. Disseram-nos que não parássemos na ponte, nem mesmo para tirar fotografias porque é considerado dar má sorte e depois de visitar o paraíso não se deve voltar para o inferno pelo mesmo motivo. Depois de visitar o templo chegamos a um edifício todo de ouro, a casa de banho (!!). O proprietário deste templo afirma que somos todos iguais, ricos ou pobres, que todos nós usamos a casa de banho da mesma forma, então todos nós merecemos o melhor. Ao redor do templo, podemos ver cabeças penduradas em árvores e se olharmos mais de perto veremos que essas cabeças pertencem a batman, deadpool, gollum, etc… Achei tudo isso um bocado bizarro, mas tudo isto parecia natural aos visitantes…

Depois do Templo Branco, dirigimo-nos até ao Museu Negro, é considerado um museu e não um templo porque não há figuras de Buda. Assim como o Templo Branco, também foi construído por um artista local e é meio mórbido, a meu ver.. tem um imesos chifres, peles de crocodilo, esqueletos…  achei tudo aquilo muito excêntrico. Os edifícios são feitos de uma madeira especial que já não se pode comprar, segundo lei do governo Tailandês, mas se um cidadão plantar as suas próprias árvores aí será capaz de usá-las no futuro para construção.

De seguida, fomos às aldeias das tribos. Uma das tribos que visitámos foi a tribo Long Neck, apenas mulheres (os homens ficaram para trás trabalhando nos campos de Myanmar), que vim a descobrir serem exploradas pelo governo tailandês. As senhoras vêm trabalhar de Myanmar, vendendo seu artesanato, mas o governo tailandês não lhes concede visto, assim que são obrigadas permanecer nas redondezas da vila, incapazes de sair, nem mesmo para ir ao supermercado… é provavelmente mais lucrativo para o governo tailandês se ficarem pela vila e serem uma atracção turística. Pessoalmente não gostei esta visita,  senti-me como se estivesse num jardim zoológico humano, vendo a tribo e sabendo os seus nomes e se elas já estavam casadas ​​ou não…

Após esta experiência fomos ao Triângulo Dourado, onde se encontram as fronteiras entre Tailândia, Laos e Myanmar e fomos de barco até Donsao, uma cidadezinha em Laos onde existe um mercado. Neste mercado podemos encontrar whisky com escorpiões, cobras e até tartarugas dentro dos mesmo, o que acho bastante cruel. Vendem também cigarros, bolsas de marca (Prada, Michael Kors, Louis Vuitton), roupas e alimentos. Existem imensas crianças a brincar e também a pedir dinheiro aos turistas.

Já era noite quando voltámos a Chiang Mai, e esta tour foi feita no dia 10 de Maio, o dia de Vesak, também conhecido como Buda Purnima e Dia de Buda, um feriado festejado tradicionalmente pelos budistas, então os templos estavam decorados com imensas velas repleto de pessoas rezando a Buda e colocando oferendas nos altares, foi bonito de se ver.

DSC_1008

No nosso terceiro e último dia fomos ao Elephant Nature Park e pode ler tudo sobre esta experiência incrível aqui.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s