Reviews, Thailand, Travel

Ayutthaya and Sukothai

versão portuguesa

After yet another adventure, this time with a Uber driver that didn’t knew how to use a GPS, didn’t spoke a word of English and kept on asking me for directions in Thai and ended leaving us in the middle of nowhere with all our bags still in Bangkok, we’ve managed to get to Ayutthaya.

An hour and a half way from Bangkok, you find the peaceful city that was once the greatest city in Asia and Thailand’s capital for more than 400 years. Founded in 1350, it had one million inhabitants in the 17th century – twice that of London during the same period.

Although the glories of its golden age were mostly destroyed by the Burmese in the 1760s, a staggering number of red-brick ruined royal palaces and chapels, halls of worship and pagodas still stand throughout the town.

We were advised to rent a bike and explore the town using a map, but it was an impossible task since it was hot as hell, 45°C (113ºF)… there’s one thing you need to know about me, I looove hot weather, but this was too much, even for me! It would be perfect if I would be standing in the shadow, but walking around visiting the sights with the sun on my face, it was an ordeal.

Since the weather was crazy hot, we’ve decided to rent a tuk tuk for the day. I managed to bargain my way down to 200 BHT per hour and it was the best decision of the day!

There weren’t so many tourists, probably because it was so hot (have I mentioned that already?), so we were lucky enough to have the first sights all to ourselves and I took my time exploring and taking lots and lots of pictures, thanks to this breathtaking views.

One of the things that impressed me the most was the number of birds on the sights, it was magical to see all the beautiful ruins while hearing the birds singing, really magical!!! Another thing that I was very impressed with, was that on the last sight I’ve visited there were hundreds of bags of dog and cat food to feed the strays ❤

It took something around 5 hours to explore all there was to see and then we went back for the hotel for a well deserved swim at the pool.

I’ve stayed at the Baan Tebpitak Elegante Ayutthaya. A lovely place, with the most helpful host that helped us get the tickets to Sukothai by bus and spoke a perfectly good English. The hotel is peaceful and cozy, with a nice pool and is close to the restaurants and night market.

Apparently you can also visit Ayutthaya on the back of an elephant, but this is a cruel practice, the elephants are cruelty treated to obey orders and their back is not made to carry people around. Speaking of elephants, I will be visiting a sanctuary where mistreated elephants are protected and I’ll tell you all about it in the next post!

After a long sleepless night due to loud thunders we went to Sukothai by bus. Sukothai is 400 km away from Ayutthaya and it takes something around 5 hours to arrive, so thebest option is to catch the first bus of the morning. And there’s where I’ve written part of this post.

(after the photos you’ll find info about Sukhothai)

Sukothai (the name of Thailand’s original capital) means “rising of happiness”. Was founded in 1238 when two Thai generals took control from the Khmer Empire.
Unlike Ayutthaya, the old and new cities are separate, which makes a visit here way more enjoyable.

We rented a tuk tuk for the afternoon, because we only had 3 hours to visit the sights before they closed the park – there’s a park with the ruins and there are also sights to see outside of it – 2 hours to visit the outside and the last hour inside the Sukhotai’s Historical Park to watch the sunset at the ruins.
Even if we had more time I think this is actually the best option, there’s a lot to see and the weather is hot (maybe because of the tropical strom from last night before, the weather was not as hot as the day spent in Ayutthaya, but yet…)

Just like in Ayutthaya, the ruins are made of red-briks and they’re also beautiful to contemplate. Sukhotai is greener than Aytthay and is not as known, so the sights were exteremely peaceful and the Historical Park is lovely with lots of trees and you can rent a bike to ride inside the park. The locals don’t pay entry so you can see them jogging and ride their bikes inside dressed for the part.

The sunset at the the Sukhotai’s Historical Park is something not to miss! It has an aura of it’s own and I will definitely advise to see it at the temple Wat Mahathat
After the sunset we enjoyed the pool (the nights are perfectly hot) and rode the bike around the city, I found a skinny cat mamma with 6 little kitties, so I rushed to the next 7eleven to purchase some cat food and spent the rest of the night feeding the cats and dogs in the area.

In the morning rode the bike to the local market to buy some fruit and hooped on the bus to Chiang Mai, where I’m finnishing this post 😊

During our stay we’ve stayed at the Thai Thai Sukhothai Guesthouse and it was marvelous. The staff is great and the houses are just too cute! They’ve upgraded our room for absolutely no reason and B, the girl at the reception, is a sweerheart, made us feel like family. B explained us everything about the city and like the host at the hotel at Ayutthaya she purchased the bus tickets to our next destination and more, she also helped us with the renting of the tuk tuk, gave all the instructions to the guide where to go and when and has always smiling and even called us by the name. I definitely regret not staying there another night, because the hotel is very good and because I felt so welcome there.

For more photos, check my Instagram

 

Depois de mais uma aventura, desta vez com um condutor da Uber que não sabia como usar um GPS, não falava uma palavra de inglês, continuava insistentemente a pedir-me direções em tailandês e para piorar, acabou por nos deixar, com malas e bagagens, no meio do nada, ainda em Banguecoque, lá conseguimos chegar a Ayutthaya.

A 1h30 de caminho de Banguecoque, encontra-se a pacífica cidade, que foi, em tempos, a maior cidade na Ásia e capital da Tailândia por mais de 400 anos. Fundada em 1350, tinha um milhão de habitantes no século 17 – duas vezes mais que de Londres durante o mesmo período.

Embora as antigas glórias, da sua idade de ouro, tenham sido maioritariamente destruídas pelos birmaneses em 1760, um grande número de tijolos vermelhos escuros forma palácios reais e capelas, salas de culto e pagodes ainda por toda a cidade.

Fomos aconselhadas a alugar uma bicicleta e explorar a cidade usando um mapa, mas isso provou ser uma tarefa impossível, uma vez que estava um calor infernal de 45ºC… há uma coisa que precisam saber sobre mim, eu adoooooro calor, mas às vezes estava um bocadinho demais, mesmo para mim! Teria sido perfeito se eu tivesse sentada numa sombrinha, mas em caminhada para visitar os pontos turísticos com aquele sol quente na cabeça, foi de loucos.

Uma vez que o tempo estava muito quente, decidímos alugar um tuk tuk para a visita. Lá consegui regatear até 200 bht por hora e esta foi a melhor decisão do dia!

Não havia muitos turistas, provavelmente porque estava tão quente e não são loucos (já disse que estava mesmo muito calor? ). Por isso tivemos a sorte de ter o primeiro ponto turístico praticamente todo para nós e lá levei o meu tempo a explorar e a tirar montes de fotos a esta vistas deslumbrantes.

Uma das coisa que mais me impressinou foi o número de pássaros nas ruínas, foi delicioso ver aquelas construções megalonamas enquanto ouvia o chilrear, mágico!!! Outra coisa que me impressionou muito foi, no último templo que visitei, haver centenas de sacos de ração para cães e gatos para alimentar os a animais de rua ❤

Levámos cerca de 5 horas para explorar tudo o que havia para ver e, de seguida, seguimos para o hotel para um bem merecido mergulho na piscina.

Fiquei hospedada no Baan Tebpitak Elegante Ayutthaya, um pequeno hotel, com uma sehora super útil e despachada, que nos ajudou a comprar os bilhetes de autocarro para Sukothai e falou sempre num inglês bastante bom. O hotel é sereno e acolhedor, com uma ótima piscina e está perto de restaurantes e do night market.

Aparentemente, também se pode visitar Ayutthaya montando um elefante, mas esta é uma prática cruel, na qual os elefantes são maltratados a fim de obedecer a ordens e suas costas não são feitas para carregar pessoas levando a lesões. Por falar de elefantes, vou visitar um Santuário onde elefantes maltratados são resgatados e protegidos e vou contar-vos tudo sobre essa experiência no próximo post!

Após um a longa noite em branco, devido ao barulho dos trovões numa louca tempestado tropical, partímos para Sukothai de autocarro.
Sukothai fica a 400 km de distância de Ayutthaya e leva-se cerca de 5 horas para lá chegar, por isso aconselho a apanhar o primeiro autocarro da manhã, e foi aí onde escrevi parte deste post.

(Informação sobre Sukhothai após as fotos)

Sukothai (o nome original da Tailândia) significa “crescente de felicidade”. Foi fundada em 1238 quando dois generais tailandeses tomaram controle do Império Khmer.

Ao contrário de Ayutthaya, a parte velha e nova da cidade estão separadas, o que torna a visita mais agradável.

Alugámos uma tuk tuk para a tarde, dado que já só tinhamos 3h para visitar as ruínas antes que o parque fechásse – existem ruínas dentro e fora do parque – 2 h para visitar o exterior e 1h dentro do Parque Histórico de Sukhotai para aproveitar e ver o pôr do sol nos templos.

Mesmo que tivéssemos mais tempo penso que esta continuaria a ser a melhor opção, há imenso para ver e o clima é quente (talvez devido à tempestade tropical da noite anterior a temperatura estivesse “mais amena”, mas mesmo assim…)
Tal como em Ayutthaya, as ruínas são compostas por tijolos vermelhos escuros e são igualmente belas de contemplar. Sukhothai é mais verde que Ayutthaya e não tão conhecido, portanto o ambiente que envolve as ruínas é super calmo e o Parque Histórico é lindo, cheio de árvores, onde podemos alugar uma bicicleta e pedalar no interior. Os locais não pagam entrada e podemos vê-los a fazer jogging e a pedalar, vestidos a rigor de quem faz exercíco.
O pô do sol no Parque Histórico é algo a não perder! Tem uma aura própria e definitivamente aconselho a vê-lo no templo Wat Mahathat.

Após esta linda visão, aproveitámos a piscina (as noites são de um quentinho maravilhoso) e pedalámos pela cidade, foi então que encontrei uma gatinha esquelética, com 6 bebézinhos e, claro, fui a correr à 7 eleven comprar comida de gato e passei a noite a alimentar os animais de rua da área.

Pela manhã fui de bicicleta até ao mercado local afim de comprar alguma fruta e meti-me no autocarro rumo a Chiang Mai, onde estou a acabar este post 😊

Durante a nossa estadia ficámos instaladas no Thai Thai Sukhothai Guesthouse e foi maravilhoso. O staff é óptimo e as casinhas são uma delícia! Fizeram um upgrade à nossa casinha, sem razão absolutamente nenhuma e a B, a menina da recepção, é um amor, fez-nos sentir como família. Explicou-nos tudo sobre a cidade e tal como a senhora no hotel de Ayutthaya, tratou dos bilhetes de autocarro para o nosso próximo destino e mais, também nos ajudou com o aluguer da tuk tuk explicando ao guia em detalhe as horas que queríamos passar em cada local, para além disso, sempre nos recebeu com um sorriso rasgado e nos tratou pelo nome. Lamento não ter ficado mais uma noite, dado que gostei bastante do hotel e pela forma como fomos bem recebidas.

Para mais fotos, dá um pulo ao meu Instagram

Advertisements

1 thought on “Ayutthaya and Sukothai”

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s